fbpx
Máscaras em folhas: a conquista do consumidor
15 jan, 2020
Nanoestruturas lipídicas desenvolvidas no ICB-USP podem ampliar a eficácia de medicamentos e reduzir efeitos colaterais
16 jan, 2020

XX Encontro Paulista de Farmacêuticos

O Encontro Paulista de Farmacêuticos em sua 20ª edição traz como tema mercado, tecnologia e pessoas: inovação para sua carreira. Para falar de mercado, o CRF-SP trará o especialista em marketing e em economia da saúde, Eduardo Rocha, que possui experiência na indústria farmacêutica, prestação de serviços de informação, consultoria e tecnologia na área de saúde, além de varejo on-line no setor farmacêutico.

Ele destaca que o mercado farmacêutico teve um crescimento, diferente do que ocorreu nos outros setores da economia nos últimos anos no País. Mesmo assim, é um mercado que passou por mudanças e adaptações a esse novo momento, incluindo o empoderamento dos farmacêuticos.

Ele cita o alto índice de desemprego e o impacto dessa crise no setor de saúde como um dos motivadores dessa mudança.

“Se imaginarmos que temos quase 80 mil farmácias no Brasil, toda essa estrutura pode atender a população provendo mais do que produtos. Nesse sentido, as grandes redes de farmácia e algumas farmácias independentes entenderam que poderiam investir na abertura de clínicas, estabelecimentos onde os pacientes podem se vacinar, ter orientações sobre medicamentos e suas doenças. Isso só foi possível porque o farmacêutico está mudando seu perfil, está entendendo que é o primeiro ponto de contato dos pacientes em muitos casos”, explicou.

Eduardo aponta que nos próximos anos a farmácia e o farmacêutico vão ser cada vez mais protagonistas de uma pequena revolução na área da saúde. “Se observarmos outros mercados, como o americano por exemplo, podemos imaginar que em alguns anos poderemos fazer exames clínicos na farmácia, esse tipo de procedimento pode resolver alguns problemas de baixa complexidade, o que pode desafogar o sistema público de saúde e agilizar o atendimento aos pacientes. Logicamente, todos esses processos precisam passar por regulamentações, análises governamentais afim de garantir regras claras do que pode ou não ser feito, discussões com sociedades médicas já que esses profissionais também precisam se engajar nesse processo e ajudar a garantir um atendimento de qualidade com preços que possam ser acessíveis a milhões de cidadãos.”

Para isso, o especialista ressalta que os farmacêuticos precisam estar engajados nessa “revolução” e entender que seu papel dentro das farmácias vai muito além de dispensar medicamentos, conferir receitas médicas, cuidar de burocracias exigidas por lei.

“É preciso que estejam cada vez mais preparados para serem o primeiro ou segundo ponto de contato dos pacientes que entram nas farmácias. Se eu chego na farmácia com uma receita de anti-hipertensivo, o farmacêutico pode me ajudar orientando a importância de não abandonar o tratamento pois sendo uma doença silenciosa, sabemos que grande parte dos pacientes abandona o tratamento após se sentirem melhor. Por outro lado, os médicos também precisam ver os farmacêuticos como um aliado na cadeia de saúde, tudo deve funcionar como uma engrenagem onde a saúde da população está em primeiro lugar.”

Participe dessa e das demais discussões no XX Encontro Paulista de Farmacêuticos, que ocorrerá dia 17 de janeiro, das 8h30 às 17h45, na Unip Vergueiro, em São Paulo. Inscreva-se abaixo.

 

XX Encontro Paulista de Farmacêuticos

Data: 17/01/2020 (sexta-feira)

Horário: 8h30 às 17h45

Local: UNIP Vergueiro – Rua Vergueiro, 1211 – Aclimação, São Paulo

Acesse a programação completa e faça sua inscrição