fbpx
Autocuidado para envelhecer de maneira saudável e com qualidade de vida
09 jun, 2021
Doação: um ato de amor que salva vidas, gota a gota
14 jun, 2021

Roche atua na promoção da logística reversa de medicamentos e de embalagens

Estratégia tem como objetivo evitar que remédios vencidos ou em desuso contaminem o meio ambiente e as pessoas e indique postos de coleta por meio do site.

Pautada pelo compromisso de ter uma atuação ambientalmente sustentável, por meio do uso responsável dos recursos naturais, a Roche – empresa global, pioneira em produtos farmacêuticos e de diagnóstico – desenvolve e lidera práticas e iniciativas para diminuir os impactos ambientais de suas operações. Entre elas, estão formas de como incentivar o reuso e a reciclagem de materiais necessários para manter a qualidade e segurança de seus produtos e controlar a destinação correta de seus resíduos.

Durante a celebração da Semana Mundial do Meio Ambiente, de 5 a 9 de junho, a companhia destacou, entre suas iniciativas, sua contribuição para que a implementação da logística reversa de medicamentos se torne uma realidade no Brasil. O objetivo é colaborar com a conscientização e a informação de qualidade para a população, bem como integrar iniciativas setoriais que objetivam a realização das ações práticas para endereçar a questão.

Para fomentar as estratégias de logística reversa, a Roche, em parceria com a eCycle, desenvolveu uma plataforma que está hospedada nos sites de ambos. Lá, é possível encontrar informações sobre o manuseio e o descarte correto de remédios vencidos, sobras, seringas, agulhas, frascos e embalagens e a identificação, por meio de geolocalização, dos postos de coleta desses materiais.

A iniciativa tem como objetivo evitar que esses resíduos sejam jogados no lixo comum ou no esgoto doméstico e prejudiquem o solo e as fontes de água, colocando em risco o meio ambiente, os animais e, consequentemente, o ser humano. Também serve de alerta para diferenciar os variados materiais que envolvem um medicamento e como destinar cada um deles. “Temos a embalagem primária, que tem contato direto com o medicamento e também deve ser desprezado corretamente. A secundária é a caixa de papel, que juntamente com a bula, pode ser encaminhada para reciclagem”, explica Rogério Nakamura, Gerente de Serviços, Segurança, Saúde e Meio Ambiente da Roche Farmacêutica.

Juntos, Roche e eCycle usam seus canais de comunicação para educar e conscientizar as pessoas sobre a importância do tema. “Sabemos que não basta a regulamentação da logística reversa no Brasil se o usuário de medicamentos não compreende os impactos que causam o descarte incorreto. Atuar na informação é imprescindível para que esse ciclo se concretize. Nesta linha, o projeto da eCycle tem uma sinergia perfeita com o nosso negócio, pois contribui para a preservação dos recursos ambientais e para a construção de uma sociedade mais consciente e justa, compromissos que permeiam o nosso negócio”, afirma Sarah Chaia, diretora da Divisão Jurídica, Compliance, Responsabilidade Social & Sustentabilidade, Políticas Públicas e Parcerias Sustentáveis e sponsor do Comitê de Sustentabilidade da Roche Farma Brasil.

POSTOS DE COLETA – Para identificar os postos de coleta mais próximos, basta acessar o site https://www.roche.com.br/pt/por-dentro-da-roche/descartes-de-medicamentos.html, indicar um critério de busca como cidade, bairro, endereço ou CEP, e clicar em “Buscar Postos”. Logo em seguida, aparece um mapa que indica vários pontos de coleta, como farmácias, Unidades Básicas de Saúde (UBS) e supermercados. Caso não seja localizado nenhum local próximo, o ideal é procurar a Vigilância Sanitária da região.

Em 2020, foram mapeados 2.554 pontos em todo o Brasil, quatro vezes mais do que em 2016, primeiro ano da iniciativa. Isso demonstra que o interesse da população por atitudes mais sustentáveis, incluindo o descarte responsável de medicamentos, é pauta que vem ganhando cada vez mais força e urgência.

Após serem entregues nos postos de coleta, o material é retirado por empresas especializadas que dão o correto destino a eles. Os objetos perfurocortantes, como seringas e agulhas, por exemplo, devem ser descartados em caixas específicas de armazenamento para evitar que as pessoas sofram acidentes por perfuração. Os medicamentos vencidos e produtos químicos são destinados à incineração, em locais preparados ambientalmente para essa ação e seguindo todas as exigências dos órgãos reguladores.

EMBALAGENS – Ainda de encontro ao compromisso com o gerenciamento de seus resíduos, outra iniciativa liderada pela Roche neste segmento de descartes foi a implementação, em março de 2021, de um programa de logística reversa de embalagens da cadeia de frio no Centro de Distribuição em Goiás. Por meio dela, 100% dos clientes da empresa, compreendendo distribuidores, clínicas e hospitais do canal público e privado, podem optar por realizar a devolução desses materiais no ato da entrega ou em uma futura remessa.

Ao retornarem para Anápolis, os recipientes de gelo rígido – utilizados para transporte e refrigeração dos medicamentos de cadeia fria – são higienizados e reutilizados no fluxo produtivo dentro de seu período de validade. A água descartada nas trocas vai para a limpeza do Centro de Distribuição. Já caixas de isopor, papelão e alças plásticas são destinadas para cooperativas parceiras.

Resultado do comprometimento e do trabalho colaborativo entre as áreas de Logística e Licitações, a Secretaria de Estado da Saúde do Paraná já percebe os efeitos positivos do projeto. “Achamos interessante a iniciativa e está dando certo. Menos lixo produzido e mais organização”, argumenta Dra. Carine de Andrade Mendes Poier Oliveira, farmacêutica da SES-PR.

Apenas com o piloto dessa iniciativa, 3,8 mil kg de papelão e 4,3 mil kg de isopor foram enviados para cooperativas parceiras ou tiveram a destinação correta. Também, 6,7 mil kg de plásticos e 32 mil litros de água dos elementos refrigerantes foram poupados, devido a reutilização destas matérias-primas. Com a expansão do projeto, estima-se que 24 mil kg de papelão e 27 mil kg de isopor poderão ser recolhidos por cooperativas ou corretamente destinados, bem como 41 mil kg de plástico e 195 mil litros de água poderão potencialmente deixar de ser utilizados.

PLATAFORMA DIGITAL – Além dos programas de logística reversa, no dia a dia, são incorporados continuamente processos e práticas dentro da Roche que promovem o desenvolvimento sustentável. O intuito da Roche é reduzir os impactos ambientais de suas operações e engajar colaboradores e parceiros de negócios no tema, como a reciclagem de itens utilizados em eventos da empresa, evitar o consumo de copos descartáveis e diminuir a impressão de papéis.

Uma das iniciativas se trata da plataforma digital disponibilizada em todas as unidades de negócio, que permite a tramitação online de documentos e diminui o impacto ambiental da sede. Mais recentemente, a área de licitações da empresa tem atuado com órgãos públicos para promover procedimentos mais limpos em seus processos, por meio da digitalização total de documentos e contratos. Antes disso, a área imprimia uma média de 1 mil folhas por dia. Hoje, 95% dos processos já acontecem de forma digital, resultando em redução de resíduos, de economia de recursos, de otimização de tempo e, consequentemente, da diminuição da emissão de carbono.

GESTÃO AMBIENTAL – Outro destaque é que, em 2020, a fábrica substituiu os queimadores da caldeira, gerando economia do uso de gás natural, e ampliou o reuso de água, que em alguns meses chegou a representar cerca de 30% do consumo total.

Para assegurar de que está no caminho certo, a Roche ainda conta com uma gestão ambiental que monitora indicadores relacionados a recursos hídricos, geração e descarte correto de resíduos e consumo de energia e tem metas estabelecidas globalmente para reduzir as suas emissões de gases de efeito estufa até 2025. Além disso, a fábrica passa por auditorias externas duas vezes por ano e faz a manutenção da certificação ISO 14.001, de gestão ambiental.