fbpx
Governo avalia incorporação de medicamentos já disponíveis na rede privada para tratamento de câncer de pele agressivo no SUS
07 jan, 2020
Beneficência Portuguesa de São Paulo reduz custos com iniciativa para uso racional de antibióticos
09 jan, 2020

Cada vez mais frequentes, casos de ansiedade, depressão e estresse

Falar sobre o que sentimos pode ser difícil. Afinal, verbalizar o que está apenas nas emoções é, por vezes, doloroso e nos faz reviver aquilo que nos feriu. Mas, dialogar a respeito do que nos faz mal também é parte do processo de cura. Por isso, desde 2014 foi criada a iniciativa do Janeiro Branco: período do ano dedicado à conscientização sobre a saúde mental.

“Não costumamos falar sobre os sentimentos e o quanto eles acabam afetando diretamente a nossa saúde. Dados da OMS apontam que há 332 milhões de pessoas em todo o mundo sofrendo de depressão neste exato momento. Destes, 11,5 milhões estão no Brasil”, conta a Dra. Maria José Femenias Vieira, médica cirurgiã do aparelho digestivo e especialista em psicossomática.

A médica conta que os casos de depressão, ansiedade e estresse têm aumentado consideravelmente nos últimos anos, sendo que os transtornos de ansiedade já afetam 264 milhões de pessoas no mundo e 18,6 milhões de brasileiros.

E o início do ano tende a ser o momento mais propício para falar sobre saúde mental, justamente por ser a época dos começos e recomeços. “É importante estarmos em plenas condições de saúde para lidar com o que passou e com o que ainda está por vir, mas principalmente com nossas emoções e sentimentos”, destaca.

Ao colocar o tema em discussão, é possível prevenir problemas mais sérios que afetam a saúde e até a carreira das pessoas, como o “burnout” e a depressão. “O Anuário Estatístico da Previdência Social aponta que, em 2014, por exemplo, foram concedidas 11.225 aposentadorias por invalidez vinculadas a doenças psíquicas e transtornos mentais. No mesmo ano, a quantidade de auxílios-doença concedidos pelos mesmos problemas foi de 202.985. São números muito consideráveis e que refletem o impacto econômico causado pela falta de uma política de saúde mental adequada e constante.”

A fim de evitar que as emoções e sentimentos se tornem prejudiciais, é preciso conhecer melhor as próprias emoções, buscar ajuda profissional a fim de ter mais autoconhecimento, quebrar o tabu de que ajuda psicológica é apenas para casos graves ou para os outros e reconhecer que buscar ajuda para lidar com os sentimentos é benéfico para a saúde como um todo.

No exterior, existe até campanha específica para tratar o tema no trabalho. É o #dearmanager (caro gerente, em inglês), que aborda o tema dentro das companhias e convida a falar sobre a saúde mental dos profissionais. A iniciativa também é bem-vinda no Brasil e o Janeiro Branco pode ser o pontapé inicial para este diálogo. Que tal iniciar com o #falemaissobreisso?