fbpx
Biossimilares: o que você precisa saber sobre esses medicamentos
08 ago, 2019
Número de mulheres afetadas pelo câncer de pulmão aumenta progressivamente, diz estudo
12 ago, 2019

Amamentação auxilia no desenvolvimento cognitivo do bebê

Os benefícios da amamentação na saúde do bebê vão além do fortalecimento imunológico que o protege de doenças e problemas futuros. Classificado como o principal alimento nutricional, o leite materno pode auxiliar também um no desenvolvimento cognitivo aos pequenos, ou seja, interferindo positivamente na melhora da habilidade de aprendizagem e processamento de informações.

Segundo a pediatra do Hospital Edmundo Vasconcelos, Mariana Jordão, o processo da formação cognitivo está relacionado a fatores genéticos e ambientais, e é neste segundo quesito que se encaixa a amamentação. “Existem estudos que apresentam esta relação positiva pelo leite possuir a composição necessária ao bebê, principalmente nos seis meses de vida e fazendo-se complementar até os dois anos de idade, quando se tem o maior desenvolvimento neuropsicomotor”, complementa.

Entre esses estudos citados está o da Universidade Federal de Pelotas, que acompanhou quase 3.500 recém-nascidos desde 1982 até os 30 anos, e identificou que os participantes que foram amamentados por 12 meses apresentaram maior QI e renda mensal do que os que somente receberam o leite materno por menos de um mês.

O bom resultado neste meio pode estar correlacionado a alguns componentes do leite, como os ácidos graxos, que na maioria das vezes não são encontrados em fórmulas suplementares. Mariana esclarece que essas substâncias, como o ácido aracdônico, proveniente do Omega 6 e o DHA, oriundo do Omega 3, têm papel importante no processo cognitivo.

“Esses ácidos graxos atuam na construção das membranas celulares, principalmente das células da retina, propiciando uma melhor visão, e do sistema nervoso central. Eles se acumulam rapidamente nestes sistemas principalmente nos último trimestre da gestação e nos primeiros meses de vida”, reforça.

Além do fator químico do leite, o contato entre mãe e bebê tem parcela importante neste processo, permitindo uma redução de estresse e irritabilidade, e melhora na interação social. “Esses aspectos também influenciam. Somente o cheiro da mama da mãe já induz uma resposta da criança, e com isso favorecendo a relação entre os dois. Esse relacionamento ajuda no avanço neurológico, e consequentemente no desenvolvimento cognitivo”, finaliza.