fbpx
PróGenéricos anuncia nova diretoria para o biênio 2022-2024
13 maio, 2022
O que muda com o fim da emergência relacionada à Covid-19
13 maio, 2022

Varejo farmacêutico: essencial para o futuro da telemedicina

Por Carlos Pappini

O cenário era março de 2020. A pandemia da Covid-19 chegou ao Brasil e bateu à porta de hospitais, mostrando seus primeiros impactos no sistema de saúde. Com isso, tivemos a promulgação da lei, em caráter emergencial, que perdurava há algum tempo, sobre o uso da telemedicina no país. Recentemente, a Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei (PL) nº 1998, de 2020, que regulamenta a prática da telessaúde e estabelece os parâmetros para o atendimento remoto em todo país. A lei abrange todas as profissões regulamentadas da área da saúde e, caso seja sancionada no Congresso, cada conselho federal ficará responsável por fiscalizar o exercício do profissional e a normatização ética das prestações dos serviços de saúde prestados.

O que pudemos acompanhar nesses dois anos é que, com o estímulo ao digital na área da saúde, houve o surgimento e incentivo de várias Healthtech. Segundo o site Startup Scanner, temos hoje cadastrados em seu portal 397 startups em atuação em 35 categorias de soluções, sendo que quase 20% destas surgiram nos últimos dois anos. Estimativas sinalizam que cerca de 5% de todo o volume de consultas na saúde suplementar nesse período foi realizado por telemedicina.

Alguns aprendizados foram extraídos dessa experiência, como o índice de desfecho e resolubilidade positiva dentro da própria teleconsulta, que girou em torno de 96% das consultas realizadas – ou seja, apenas 4% dos pacientes necessitaram se dirigir a uma unidade presencial.

Varejo farmacêutico é novo canal de expansão

A jornada digital é um objetivo estratégico de todas as empresas que atuam na área da saúde, incluindo o varejo farmacêutico. Aos moldes de uma arquitetura próxima do que vemos em países onde a saúde é mais privada, como os EUA, e em países com a presença do estado mais forte, como na Europa, a farmácia tem sido vista estrategicamente como um pnto de cuidado e não apenas como um local de comercialização e dispensação de medicamentos. Esse movimento da farmácia clínica ganha muito espaço aqui no Brasil e a possibilidade de ampliar os meios de interação e atendimento dos pacientes torna a implantação da telemedicina uma alternativa real ao portfólio de serviços das farmácias no país, que estrategicamente devem se integrar aos gestores públicos e privados da saúde, na jornada clínica do paciente..

Novas aplicações

As soluções da telemedicina podem ir muito além do modelo padrão atual. Hoje já é possível conectarmos três ou mais pessoas, sendo o paciente e os demais profissionais da saúde no que chamamos de TeleInterconsulta, trazendo a possibilidade de levar médicos especialistas para regiões mais distantes das capitais.

O último senso do CFM demonstrou que, a despeito de estarmos atingindo um número de médicos relevantes por mil habitantes, esses profissionais se concentram em municípios acima de 100 mil moradores. Nas regiões mais afastadas, não é raro encontrar pacientes que tenham que se deslocar 300, 400 a 500 km para realizar uma consulta. Imagine podermos conectar o paciente a um médico especialista em uma capital? Suportado por devices de monitoramento e diagnóstico (os famosos IoT’s), esses resultados clínicos são transmitidos em tempo real pela plataforma, permitindo maior precisão ao diagnóstico e estadiamento da doença no paciente. Esta solução é ideal para as prefeituras e os estados ampliarem sua capacidade de atendimento da demanda dos pacientes de média e alta complexidade.

O futuro e a nova regulação

Sabemos que a inovação é sempre mais rápida do que a capacidade de regularmos mercados e práticas. Mesmo após dois anos do uso da telemedicina, vimos ainda a insistência de médicos e pacientes em usarem aplicativos de conversa no celular como se fosse uma plataforma, desconsiderando todo o aspecto de segurança dos dados. Vejamos bem, a telemedicina não veio para substituir o modelo de consultas presenciais, mas para ser um complemento na jornada de cuidados e atenção ao paciente, criando uma dinâmica que otimizará o tempo dos médicos e profissionais da saúde, além do próprio paciente. Podemos afirmar que a telemedicina é a primeira tecnologia embarcada no sistema de saúde que não incrementou custos às contas dos gestores, mas, pelo contrário, trouxe a possibilidade de gerar reduções relevantes na atual carga de custos do sistema de saúde. Cabe a reflexão de buscarmos um marco regulatório olhando pelo vidro da frente e não pelo retrovisor. Bom para o paciente, médicos, gestores públicos e privados e todo o sistema de saúde.

 

Carlos Pappini é CEO e cofundador do Conecta Médico, plataforma de telemedicina.

WhatsApp
LinkedIn
Share
Instagram