fbpx

Coragem e esperança


Na presidência da ABCFARMA, ao longo das últimas décadas, enfrentamos momentos plenos de progresso na área da saúde - e também momentos difíceis, como epidemias de doenças infecciosas, mais ou menos violentas.

Mas a pandemia com a qual lutamos agora, que já levou à morte mais de 50 mil brasileiros, nos deixa extremamente preocupados – não só pelos óbitos mas pelos efeitos colaterais que a Covid-19 tem ocasionado. Muitas empresas fecharam parcialmente suas portas - e milhares de outras cessaram suas atividades por tempo indeterminado. Ou para sempre.

Empresários e seus colaboradores estão se resguardando, mas, mesmo assim, o número de mortes continua acima das expectativas mais pessimistas.

Praticamente todos os países do globo terrestre, em maior ou menor grau, foram atingidos por essa pandemia viral. E, no mundo todo, cientistas trabalham incessantemente em busca de uma vacina eficaz que imunize a população em nível global, começando pelos mais vulneráveis.

Nossas preocupações são dramáticas: há hoje milhões de pessoas que não poderão voltar aos seus postos de serviço, até pela extinção dos mesmos. Para esse drama de graves proporções, não há solução à vista. O PIB brasileiro terá este ano uma redução inédita de pelo menos 5%. Coragem e esperança são sentimentos que precisam estar neste momento com todos nós, além dos permanentes cuidados de saúde que devemos adotar 24 horas por dia.

Com a confiança de que nossos esforçados doutores da Medicina encontrarão a solução para esse terrível mal que o mundo está vivendo, vamos fazer nossa parte obedecendo rigorosamente as ordens médicas e colaborando, no que for possível, para que esse mal chegue ao fim o mais rápido possível. Aliás, aproveito esta oportunidade para, uma vez mais, expressar meu sentimento de orgulho e reconhecimento pelo magnífico e incansável trabalho que os agentes de saúde, incluindo os profissionais de farmácias e drogarias, estão oferecendo à sociedade no curso desta pandemia – com suas portas abertas na saúde e na doença. Muito obrigado.

Pedro Zidoi Sdoia

Presidente