fbpx
Palavra do Presidente
07 jan, 2022
Único inalador de sal oral do mundo que trata os pulmões está sendo testado no Brasil
13 jan, 2022

Manifesto ABCFARMA sobre veto ao refis do Simples Nacional

 

MANIFESTO SOBRE O VETO AO REFIS DO SIMPLES NACIONAL

 

A ASSOCIAÇÃO BRASILERIA DO COMÉRCIO FARMACÊUTICO – ABCFARMA, manifesta sua preocupação com o veto ao PLP 46/21 que possibilitaria a abertura do programa de renegociação de débitos tributários (Refis) para os MEIs (microempreendedores individuais) e para as empresas do Simples Nacional.

A entidade foi surpreendida negativamente e recebeu com bastante incompreensão a notícia do veto e a chance perdida de oferecer uma oportunidade para milhões de empreendedores, a opção de parcelar as dívidas e, desta forma continuar gerando emprego e mantendo o negócio funcionando.

No Brasil, do total dos estabelecimentos existentes, parcela significativa é representada por farmácias de pequeno porte, comumente denominadas como independentes, correspondendo 65,18%. Este indicador é ampliado quando analisamos o perfil dos estabelecimentos varejistas farmacêuticos por região, destacando o Nordeste, Centro Oeste e Norte, em que o número de farmácias de pequeno porte ultrapassa a ordem de 80% (oitenta por cento).

As micro e pequenas empresas foram muito prejudicadas durante a pandemia e tinham no Refis uma chance de minimizarem as perdas e, assim, seguirem em frente. Isto não difere para o varejo farmacêutico independente, que enxerga, através do Refis, a possibilidade de não apenas cumprir com as suas obrigações tributárias, mas prover com ênfase a assistência farmacêutica e a ampliação do acesso a medicamentos à população.

Enquanto legítima representante do varejo farmacêutico, em especial, das farmácias independentes, a ABCFARMA solicita o apoio de todos os parlamentares para que o Congresso Nacional derrube o veto ao projeto do Refis.

Convocamos, também, todos os associados a assinarem o abaixo assinado pela derrubada do veto ao REFIS do Simples Nacional.

 

Clique aqui para acessar o abaixo-assinado