fbpx
Asma e a Covid-19 – Uma relação perigosa
29 jun, 2020
Inverno: Época de investir na pele
03 jul, 2020

Infecção urinária no sexo feminino

Os homens também são acometidos, principalmente quando há doença prostática associada. Mas, por um capricho anatômico, as mulheres são mais vulneráveis à infecção do trato urinário (ITU). É uma condição dolorosa e muito desagradável – que tem explicação, prevenção e cura, segundo especialistas da Sociedade brasileira de Nefrologia. ITU é definida pela presença de agente infeccioso na urina, em quantidades superiores a 100.000 unidades formadoras de colônias bacterianas por mililitro de urina. Ela pode acometer somente o trato urinário baixo, sendo então chamada de cistite. Ou afetar também o trato urinário superior, quando é chamada de pielonefrite.

Sintomas

Na cistite, há geralmente dor e urgência ao urinar, aumento da frequência do desejo de urinar e dor na parte inferior do abdome. A febre, na maior parte das vezes, não está presente. Também pode ocorrer alteração do odor, aspecto e cor da urina. Já na pielonefrite, que se inicia habitualmente após um quadro de cistite, febre,
calafrios e dor lombar formam a tríade de sintomas característicos.

Causa

A origem infecciosa, na maior parte das vezes, é bacteriana, podendo também ser causada por fungos. Quando adquirida na comunidade, a ITU é geralmente causada pela bactéria Escherichia coli (70% a 85% dos casos), seguido por outros tipos, como o Staphylococcus saprophyticus. Já quando adquirida em ambiente hospitalar, os agentes são bastante diversificados, predominando as enterobactérias.

Diagnóstico

No caso da cistite, geralmente são necessários urocultura (exame definidor do diagnóstico) e antibiograma, que vai indicar a bactéria específica que está acometendo o paciente e a qual antibiótico ela é sensível. No caso da pielonefrite, além desses exames, podem ser necessários outros, como Hemocultura e exames de imagem (ultrassonografia, tomografia ou ressonância magnética).

Tratamento

A escolha da terapia antimicrobiana para a ITU, normalmente antibióticos específicos, depende da apresentação da infecção, ou seja, compatível com cistite ou pielonefrite. Depende também da pessoa afetada (idosos, mulheres gestantes, adultos, crianças), do agente infeccioso e da própria evolução do quadro clínico.

Fatores de risco

  • Sexo feminino
  • Menopausa
  • Higienização íntima inadequada antes e após o ato sexual
  • Litíase (cálculo) renal
  • Alterações na próstata
    Quanto aos fatores relacionados às complicações da infecção urinária, destacam-se mulheres gestantes, pacientes diabéticos, e pacientes submetidos a procedimentos urológicos.

Recomendações gerais

  • Bastante líquido todos os dias, de preferência água
  • Urinar sempre que tiver vontade
  • Lavar as mãos antes e após urinar e/ou evacuar
  • Não tomar medicamentos por conta própria – até porque, antibióticos exigem prescrição médica para serem dispensados na farmácia.
  • Para pacientes idosos, é importante ressaltar que os sintomas podem ser precedidos ou camuflados por sonolência, alterações da consciência, inapetência e queda do estado geral.

Mulheres na terceira idade: vítimas preferenciais

Uma em cada quatro mulheres vai lidar com infecção urinária pelo menos uma vez durante a vida. Mas, para cerca de 55% dessas pacientes o problema se tornará recorrente – principalmente no período pós-menopausa. De acordo com o médico de família Marco Janaudis, a anatomia feminina predispõe as mulheres a infecções urinárias, já que possuem uma uretra mais curta do que os homens. “Nas mulheres, a uretra fica bem próxima do reto, onde habitam as bactérias que levam a infecções. Essas bactérias alcançam a bexiga feminina muito mais rapidamente do que nos homens, aumentando o risco de infecção”. Em mulheres jovens, é mais comum contrair infecção urinária durante a gestação ou depois de uma relação sexual. Mas é depois da menopausa que o problema costuma se tornar recorrente. Depois da primeira ocorrência, as mulheres começam a prestar mais atenção aos sintomas. E a seguir os cuidados preventivos – como urinar sempre que tiver vontade e realizar a higiene da região, já que a maioria das bactérias inofensivas no trato intestinal é nociva quando alcança o trato urinário. Quando possível, mulheres devem preferir o uso de ducha higiênica para se limpar. Idosas que usam fraldas e calças geriátricas, segundo o Dr. Janaudis, devem fazer mais de uma troca durante o dia, evitando passar períodos longos em contato com a urina represada no algodão. “É fundamental evitar repetições de infecção urinária, principalmente porque o organismo vai criando resistência ao tratamento com antibióticos, exigindo doses cada vez maiores e que, mesmo assim, perdem potência quando  usadas com muita frequência”.