fbpx
Como usar as datas de fim de ano para vender mais em sua farmácia
22 dez, 2021
Impactos tributários no mercado farma em 2022
22 dez, 2021

Desafios na gestão de pessoas no varejo farma

por: Arabaci Sciamarelli

 

Nos tempos atuais, há uma série de desafios presentes no varejo de uma forma geral e, particularmente, no varejo farmacêutico. Um dos principais é a chamada retenção de talentos, que está intimamente associada à gestão da rotatividade – ou turnover, termo em inglês muito difundido em nosso meio.

Segundo a consultoria Bare International, a média nacional da rotatividade era de 3,79, enquanto no setor farma chegou a 6,17. Essa escala feita pelo Ministério do Trabalho varia de 0 a 10, de modo que, quanto maior o valor, pior o resultado. Esse alto índice de turnover repercute numa série de fatores que acabam impactando diretamente os resultados, pois afeta os custos assim como o faturamento do negócio.

O turnover é um indicador clássico de RH que mede a proporção entre admissões e desligamentos, demissões, aposentadorias e fim de contratos temporários. Esse indicador mostra que o turnover deve ser mantido o mais baixo possível, pois existem custos tanto no processo de admissão como no desligamento. E não falo apenas de verbas rescisórias, mas também do custo do processo seletivo, do treinamento, mesmo que informal, o tempo que o funcionário levou para chegar a ter uma performance adequada e o conhecimento que ele leva consigo quando sai – e que terá de ser reposto.

Algumas causas para altos índices de turnover? Remuneração, pouca motivação, causada por gerenciamento muito rígido ou muito distante, falta de reconhecimento, de treinamento e outros.

Quem consegue diminuir o turnover contribui para outro fator fundamental nos tempos de hoje: a retenção de talentos. Manter os talentos na empresa contribui para melhoria das vendas, da lucratividade, contribui para a chamada experiência do consumidor de forma positiva e ajuda a solidificar a chamada cultura organizacional, o que fortalece a marca da empresa.

Alguns pontos que devemos citar e que contribuem para a retenção de talentos na empresa:

 

  1. Constante feedback – Vale tanto se o colaborador não teve uma atuação adequada, mas também como um elogio. A frase clássica que passa, mesmo inconscientemente, na cabeça do funcionário é: “Preciso saber se estou indo bem”
  2.  Treinamentos – Aqui vou além do conteúdo básico sobre as tarefas operacionais; o treinamento deve abarcar os fatores que estejam alinhados com os valores e a missão da empresa, além de também ter conteúdo ligado aos produtos, especialmente dos lançamentos – obviamente seguindo todas as normas da ANVISA.
  3. Metas claras acrescidas de desafios – Os colaboradores devem ter sempre novos desafios baseados em indicadores, como, por exemplo, ticket médio, satisfação do consumidor, retorno deste à loja e outros – é claro que aqui se deve ter um mínimo de tecnologia agregada para se poder medir todos esses fatores.
  4. Processo seletivo bem definido – O uso de ferramentas de seleção, além de entrevistas e indicações, como testes e outros materiais, pode diminuir a subjetividade no processo. Outro fator importante a ser levado em conta é a variedade de pessoas a serem recrutadas e selecionadas, pois, quanto maior ela for, maior a possibilidade de melhoria nos processos, bem como, por parte do consumidor, uma maior identificação.
  5. Avaliação constante dos funcionários – Um processo formalizado de avaliação contribui, se bem direcionado, para a retenção de talentos na empresa.

Estes são alguns dos desafios na gestão do varejo hoje em dia. Em próximos artigos detalharei mais cada um desses pontos.

 

—-

https://www.bareinternational.com.br/retencao-de-talentos-no-varejo/

* Experiência do consumidor ou experiência do cliente – Customer Experience (CX) ou Experiência do Cliente é o nome que se dá ao conjunto de percepções e impressões que um consumidor possui sobre determinada empresa, após interagir com ela. Do ponto de vista da marca, é a imagem que ela passa para os clientes durante todo o processo de interação, antes, durante e após uma conversão, seja ela uma compra ou contratação.

Arabaci Sciamarelli é Psicólogo formado pela USP, com MBA pela FIA-USP. Formado em Life Coaching e Executive Coaching pelo Integrated Coaching Institute. Durante 22 anos, exerceu diversos cargos da área de RH e como executivo de treinamento de vendas, com grande experiência em desenvolvimento gerencial e treinamento de equipes de vendas. Anteriormente à atuação em consultoria, trabalhou em diversas empresas multinacionais dos segmentos de consumo e farmacêutico, a saber: Osram, São Paulo Alpargatas, Boehringer Ingelheim, AstraZeneca e Wyeth.

Leia a matéria na revista ABCFARMA clicando aqui

WhatsApp
LinkedIn
Share
Instagram