fbpx
Tratamento para tipo dominante de câncer de mama metastático é aprovado pela Anvisa
25 set, 2019
Movimento ‘Sinta Sua Pele’ mostra os efeitos reais do sol
26 set, 2019

Conheça a ansiedade cardíaca – condição que tem preocupado os especialistas

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia, transtornos de ansiedade podem provocar sensações de mal-estar e dores no peito

 Nos dias atuais, em que o estresse faz parte da vida da maior parte das pessoas, é muito comum o desenvolvimento de transtornos e distúrbios de ansiedade. O problema, que é psicológico e deve ser acompanhado por especialistas, pode afetar a saúde física e provocar a chamada ansiedade cardíaca (AC), além de outros males.

De acordo com doutor Diego Gaia, coordenador de Cardiologia do Hospital Santa Catarina (SP), “a ansiedade cardíaca pode ser caracterizada por sensações de mal-estar ou dores frequentes no peito, mesmo sem que haja uma alteração física ou uma doença que justifique os sintomas”. Segundo ele, “essas sensações podem se agravar quando a pessoa começa a acreditar que tem um problema cardíaco, mesmo que não tenha, e desenvolve um medo muito grande”.

“É importante que a pessoa, ao chegar em um hospital para fazer exames para investigar as dores ou o mal-estar, mesmo em situações de emergência, realize um questionário para avaliar o nível de ansiedade. Muitas vezes, o paciente acaba desenvolvendo problemas cardíacos em razão de seu comprometimento psicológico”, diz o especialista. “Em cardiopatas pode acontecer de o problema ser potencializado por conta dessa ansiedade, o que é preocupante”, completa.

A ansiedade pode provocar uma série de sintomas no organismo, como aceleramento dos batimentos cardíacos, hipertensão arterial, diminuição do diâmetro dos vasos sanguíneos, obesidade e diabetes. Há riscos, ainda, de ocasionar tonturas por conta do aparecimento de arritmias. “O mais importante é que as pessoas sempre procurem o médico quando sentirem qualquer mal-estar, mas não devem se autodiagnosticar, pois é justamente isso que pode agravar o quadro e provocar mais problemas”, finaliza doutor Gaia.