fbpx
Como idosos podem manter a circulação ativa em casa
23 jun, 2020
Infecção urinária no sexo feminino
30 jun, 2020

Asma e a Covid-19 – Uma relação perigosa

Portadores de asma já conhecem bem o calendário de sua doença crônica – o inverno costuma ser a estação de maior sofrimento. E este ano há um inimigo adicional – e ainda mais ameaçador: a pandemia da Covid-19. Os asmáticos devem se preparar para essa guerra dupla? Como? É o que explicam especialistas da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, a SBPT

 

O atual surto de doença viral causada pela Covid-19 tem gerado preocupação e dúvidas nos portadores de asma, especialmente em relação à continuidade ou não do tratamento. Pensando nisso, a SBPT vem a publico esclarecer alguns pontos:

 

  1. A asma é doença inflamatória crônica e deve ser tratada com o uso de medicamentos preventivos, como os corticoides inalatórios, isolados ou associados a broncodilatadores, conforme recomendação recentemente publicada pela SBPT e sociedades internacionais. O tratamento da asma deve ser mantido em vigência de infecções virais, já que elas são causas frequentes de crises de asma.
  2. O tratamento do broncoespasmo por asma deve ser pautado no uso de agentes beta-2 agonistas de curta duração e anticolinérgicos, preferencialmente administrados via inalador dosimetrado e espaçador. O uso do corticoide oral ou endovenoso deve seguir as recomendações das diretrizes para tratamento da asma, já que acelera a resolução da crise e impede sua recidiva.
  3. No protocolo da Organização Mundial da Saúde de manuseio da COVID-19 não se recomenda o uso de corticoides em pacientes com pneumonia viral, pela sua interferência na queda da carga viral, EXCETO QUANDO OS PACIENTES TAMBÉM APRESENTEM EXACERBAÇÃO POR ASMA E DPOC. Nessa situação, o risco-benefício do seu uso deve ser considerado.
  4. Os portadores de asma, particularmente os classificados como formas graves, estão incluídos no grupo de risco para complicações e devem seguir as orientações recomendadas aos portadores de doenças crônicas, tais como restringir o convívio social e, quando possível, desenvolver atividades na forma de home-office. Parentes saudáveis devem ser incumbidos de buscar receitas, evitando a necessidade de os pacientes comparecerem a consulta médica.
  5. Os pacientes portadores de asma devem ser vacinados contra gripe e pneumococo.
  6. O paciente asmático deve seguir todas as recomendações determinadas pelo Ministério da Saúde em caso de febre e sintomas respiratórios, além de ajustar o tratamento da asma, se necessário, conforme recomendações feitas pelo seu médico. Nos casos graves com febre alta e falta de ar, o paciente deve procurar serviço
    médico.

 

Asma X Bronquite: quem é quem?

A dúvida permanece: são a mesma coisa? A asma é uma doença pulmonar inflamatória crônica, caracterizada pelo fechamento reversível dos brônquios, ou seja, dos tubos que ligam a garganta aos pulmões, por onde passa o ar. Como consequência, o paciente apresenta chiado, falta de ar, tosse seca e aperto no peito. Diferentemente da asma, a bronquite caracteriza-se predominantemente por tosse e catarro. É uma inflamação dos brônquios que se instala quando os minúsculos cílios que revestem o interior desses tubos param de eliminar o muco presente nas vias respiratórias. Esse acúmulo de secreção faz com que eles fiquem permanentemente inflamados e contraídos, provocando, principalmente, tosse. Ela é aguda quando dura menos do que três semanas e, frequentemente, aparece após os resfriados. Se durar meses, torna-se crônica e geralmente é diagnosticada em fumantes de longa duração. Embora o asmático possa apresentar tosse, as crises de chiado e falta de ar são predominantes. A afirmação de que a bronquite é mais leve e não se transforma em asma não é verdadeira. Assim como são incorretas definições usuais, como bronquite asmática ou asmatiforme ou bronquite alérgica. A grande maioria das crises de asma é precipitada por infecções de vias respiratórias altas (gripe ou resfriado). Entretanto, algumas crises podem ser desencadeadas por substâncias alérgicas (poeira, pelos ou saliva de animais, grama, mofo) ou irritantes (poluição, fumaça de cigarro ou lareiras, cheiros fortes, variações de temperatura e umidade do ar). Menos frequentemente, elas também podem aparecer durante exercícios físicos ou após estresse emocional. Outro fator desencadeante ou agravante é a presença de refluxo gastro-esofágico (retorno de líquido do estômago para o esôfago). A asma, é claro, preocupa mais do que a bronquite.

 

Avaliação do paciente asmático

Após avaliação do histórico do paciente e realização de exames clínicos cuidadosos, o médico poderá solicitar prova de função pulmonar (exame do sopro), radiografia de tórax e seios da face e exames de sangue. Em casos mais graves, poderão ainda ser solicitados tomografia computadorizada de tórax, endoscopia digestiva alta, pHmetria esofágica, eletrocardiograma e ecocardiograma. O objetivo do tratamento da asma não é a cura da doença, mas seu controle – para que o indivíduo possa levar uma vida normal. Isso significa manter a função pulmonar estável, realizar atividades diárias e exercícios físicos sem limitações, além de diminuir a frequência e a intensidade das crises agudas. Para atingir esse objetivo, é necessário que o paciente entenda a sua doença, consiga identificar e evitar os fatores desencadeantes, monitore frequentemente os seus sintomas e sua função pulmonar e use adequadamente as medicações prescritas.

 

Asma: o que tomar?

As medicações variam de acordo com o tipo e a gravidade da asma, por isso o tratamento é individual e varia ao longo do tempo. Os medicamentos são divididos em duas classes: os para alívio imediato (broncodilatadores de ação curta) e os de manutenção (broncodilatadores de ação prolongada, corticoesteroides inalatórios, antagonistas de leucotrienos, xantinas e corticoesteroides sistêmicos). É importante também controlar doenças e fatores de risco associados que pioram a doença: tabagismo, refluxo gastro-esofágico, ambientes com poeira, mofo, ácaros, etc.

 

E a bronquite?

O diagnóstico leva em conta os sinais e sintomas, o histórico do paciente e o exame clínico. Em algumas situações, a prova de função pulmonar, ou espirometria, ajuda a estabelecer o diagnóstico diferencial. A bronquite aguda é uma doença autolimitada, que dura no máximo 10, 15 dias. Não existe tratamento específico para combater os episódios provocados por vírus. Boa hidratação, uso de vaporizadores, de analgésicos, de descongestionantes e evitar a exposição aos fatores de risco são recursos úteis para aliviar os sintomas e prevenir as crises. A medida mais importante no tratamento da bronquite crônica é parar de fumar. Medicamentos broncodilatadores, antibióticos, mucolíticos e anti-inflamatórios só devem ser utilizados sob orientação médica depois de uma avaliação criteriosa.