fbpx
Grupo Novartis realiza ações em diversas frentes, promovendo suporte, prevenção e proteção à sociedade no combate à crise de saúde e econômica causada pelo COVID-19
10 jul, 2020
Contusão, torção, luxação: Traumas parecidos – mas diferentes
15 jul, 2020

Antibióticos – Sabendo usar, vai curar

Seres microscópicos formados por uma única célula, as bactérias estão em todo lugar – água, solo, ar, em todo o planeta, enfim. No corpo humano, principalmente na pele e no sistema digestivo, o número de bactérias é maior do que o número de células. A grande maioria vive em perfeita harmonia com o hospedeiro e funciona até como mecanismo de proteção. No entanto, sob determinadas circunstâncias, algumas causam doenças que só puderam ser tratadas e curadas depois do advento dos antibióticos. E há exatos 10 anos, esses medicamentos que salvam milhões de vidas em todo o mundo só podem ser adquiridos nas farmácias mediante prescrição. Pois o uso abusivo e indiscriminado desses remédios pela população produz resistência contra seu mecanismo de ação e, como consequência, muitas doenças banais podem voltar a ser incuráveis. Antibióticos só devem ser utilizados sob orientação médica para tratamento de infecção por bactérias.
Não fazem o menor efeito nas infecções por vírus ou outros micro-organismos patogênicos. É dever dos farmacêuticos orientar o paciente que adquire antibióticos em sua loja a obedecer algumas regras básicas:

  • Siga rigorosamente a prescrição médica
    • Antibióticos só devem ser usados nas doses prescritas e no prazo determinado pelo médico. Em geral, as primeiras doses eliminam as bactérias mais frágeis e os sintomas melhoram. Se o tratamento for interrompido nesse momento, as mais fortes ganham espaço para continuar se multiplicando e transmitindo a resistência aos antibióticos para bactérias da mesma geração e das gerações seguintes;
  • Respeite os horários previamente estabelecidos
    • É importante respeitar os horários definidos para manter, no organismo, a concentração do remédio necessária para combater todas as bactérias perigosas, fracas ou fortes, e evitar que se tornem resistentes à medicação. Encurtar o intervalo entre uma dose e outra, por conta própria, também não acelera o processo de  recuperação e favorece o mecanismo natural de luta pela sobrevivência das bactérias.