fbpx
Aprendizado com a Covid será usado contra a varíola dos macacos
01 ago, 2022
Doenças de pele no inverno aprenda a detectá-las
02 ago, 2022

Agosto Branco: Um alerta para o câncer de pulmão em pessoas não fumantes

Devido a fatores genéticos, exposição à poluição atmosférica e tabagismo secundário, doença em pessoas que nunca fizeram uso de cigarro é cada vez maior

A campanha “Agosto Branco” tem por objetivo chamar a atenção da sociedade sobre a prevenção e os cuidados necessários contra o câncer de pulmão, segundo tipo de tumor que mais acomete os brasileiros. Estudos científicos mostram que o principal fator de risco para o desenvolvimento desta neoplasia é o tabagismo. De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), cerca de 85% dos casos de câncer de pulmão estão diretamente associados ao uso de tabaco. No entanto, tem se observado um número cada vez maior de pessoas não fumantes com a doença.

Informações do Centro para Controle de Doenças e Prevenção dos Estados Unidos (CDC) revelam que de 10 a 20% dos novos casos de câncer de pulmão têm acometido pessoas não fumantes. Estudos da mesma entidade também mostram que o tabagismo secundário é responsável por cerca de mais de sete mil casos naquele país. “Apesar de o tabagismo ser comprovadamente uma das principais causas para o desenvolvimento do câncer de pulmão, pessoas que nunca fizeram uso de cigarros também precisam estar atentas para o desenvolvimento da doença, uma vez que o número de pacientes não tabagistas tem representado uma parcela importante entre os que sofrem com o problema”, afirma a Dra. Aknar Calabrich, médica oncologista e integrante do Comitê de Tumores Torácicos da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC).

Alguns dos principais fatores para o desenvolvimento do câncer de pulmão em pessoas não fumantes são:

  • Tabagismo passivo (quando alguém convive com um fumante e acaba inalando a fumaça do cigarro por estar perto);
  • Exposição à poluição atmosférica (problema crônico em grandes metrópoles, como São Paulo);
  • Fatores genéticos;
  • Infecções pulmonares de repetição;
  • Doença pulmonar crônica;
  • Idade avançada; e
  • Exposição ocupacional a agentes químicos como gases e metais pesados.

Tanto para fumantes quanto para não fumantes, o câncer de pulmão costuma se apresentar da mesma forma, com sintomas como: cansaço; tosse; expectoração com sangue; dor no peito; dificuldade para respirar; rouquidão; perda de peso e de apetite. “Os sintomas do câncer de pulmão podem se assemelhar aos de outras doenças, por isso, é importante buscar auxílio médico imediato, caso o paciente apresente qualquer desses sinais. Geralmente, os sintomas costumam aparecer quando a doença está avançada, ou seja, quando o tumor invade as estruturas próximas ao pulmão ou se dissemina para outros órgãos”, complementa Dra. Aknar.

Prevenção, diagnóstico e tratamento

A prevenção do câncer de pulmão depende de fatores diversos. “Para prevenir o câncer de pulmão é fundamental evitar o tabagismo, a exposição a gases e substâncias químicas de teor tóxico e à poluição atmosférica. Além disso, alguns pacientes acima de 50 anos e com história de tabagismo têm indicação de fazer tomografia de tórax de rastreamento. Se um tumor for detectado precoce, maiores são as chances de cura com o tratamento”, comenta a Dra. Aknar.

O diagnóstico do câncer de pulmão é feito por meio de exames de imagem como tomografia computadorizada, ressonância nuclear magnética e PET/CT (tomografia por emissão de pósitrons), além da biópsia por métodos como broncoscopia. “O tratamento do câncer de pulmão envolve profissionais de equipe multidisciplinar e varia de acordo com o tipo e tamanho da doença, podendo ser por meio de cirurgia para remoção do nódulo ou de partes do órgão, radioterapia, quimioterapia, terapias-alvo ou a combinação dessas modalidades. Somente com o diagnóstico preciso e noção do estágio da doença é possível direcionar cada caso”, finaliza a médica

WhatsApp
LinkedIn
Share
Instagram