fbpx
Doenças cardiovasculares: mitos, verdades, riscos e soluções
22 set, 2020
25 de setembro: Dia Internacional do Farmacêutico
25 set, 2020

Síndrome de Burnout: doença do “novo normal”

A interminável pandemia do novo coronavírus virou de cabeça para baixo as relações e os modos de trabalho

Em menos de uma semana, funcionários e empresas foram obrigados a se adaptar ao hoje consagrado home office ou teletrabalho. Pondo fim ao happy hour da hora do almoço ou de fim de tarde entre amigos e colegas, o expediente de trabalho passou a se resumir em muitas horas em casa, na frente do computador ou no celular, equilibrando as tarefas do serviço com os afazeres domésticos – e os apelos e cobranças típicas das relações familiares. Este é um cenário que muito preocupa os especialistas, pois tende a agravar cada vez mais a cada vez mais frequente Síndrome de Burnout. Não é só: estes tempos de pandemia fizeram de UTIs de hospitais os ambientes mais “tóxicos” e estressantes do mundo – uma mistura, 24 horas por dia, de sofrimento, agonia e morte. Os profissionais de saúde ali “internados” desde março são candidatos inevitáveis não só à Covid-19 como à Síndrome do Burnout. Em ambos os casos, o afastamento do trabalho é a “terapia” mais indicada – mas ficar em home office resolve?

“Acidente de trabalho”

Há 20 anos, o maior número de afastamentos era por conta de acidentes do trabalho ou por problemas ortopédicos. Hoje, independentemente da pandemia, a situação se inverteu. Em algumas empresas, 70% são de pacientes com problemas psiquiátricos. Entre eles, a Síndrome de Burnout. O termo foi criado em 1974 pelo psicoterapeuta norte-americano Herbert Freudenberger, ao constatar que alguns trabalhadores apresentavam sintomas como desmotivação e mudanças de humor, além de queixas físicas, como dores nas costas, problemas gastrointestinais e dores de cabeça – um quadro mais complexo que o tradicional “stress”. Um pacote completo de sintomas, relacionados ao ambiente de trabalho. De lá para cá, vem crescendo o número de casos – e a classificação como “burnout”. A síndrome atinge diversas áreas profissionais, com destaque para policiais, profissionais da área da saúde e educação – nesta, professores em classes com predominância de indisciplinados. Pode-se imaginar o número de casos em plena pandemia entre profissionais de saúde.

O Dr. Leonard Verea, psiquiatra paulista formado em Milão e especializado em Medicina Psicossomática, traz mais luz sobre esse mal típico do século 21.

“O problema tem crescido tanto entre a população mundial que há quem a chame de ‘doença do trabalhador do século 21’. No ano passado, a Organização Mundial da Saúde incluiu a Síndrome na próxima edição da Classificação Internacional de Doenças (CID-11), que passará a valer em 2022. Segundo dados da International Stress Management Association, 33 milhões de brasileiros já desenvolveram em algum momento a Síndrome de Burnout e muitos sofreram o agravamento do quadro durante a pandemia do novo coronavírus, na qual, mesmo em regime home office, a pressão e a cobrança no trabalho aumentaram. As incertezas em relação ao futuro e quando a rotina vai voltar ao “normal” geram medo e intensificam a ansiedade. Com a sobrecarga física e mental, quem precisa cumprir uma rotina de trabalho e ainda atingir metas tem mais risco de desenvolver a doença”.

Por dentro da síndrome

A Síndrome é reconhecida pelos especialistas por um cansaço devastador, como se as reservas de energia do corpo fossem esgotadas. Uma pessoa que antes apresentava bons resultados, e se mostrava competente e atenciosa, de repente liga o “piloto automático” e, no lugar da motivação, surgem a irritação, falta de concentração, desânimo e sensação de fracasso. Para reconhecer os sinais e tentar se precaver, três características principais marcam a doença. A primeira é a exaustão, a sensação de estar sem recursos físicos e emocionais. Há fraqueza, dores musculares e de cabeça, náuseas, alergias, queda de cabelo, distúrbios do sono, maior suscetibilidade a gripes e até diminuição do desejo sexual – além de sentimentos como desesperança, solidão, raiva, impaciência e depressão. A segunda característica: distanciamento afetivo. O profissional passa a ter contato frio e irônico com os receptores do seu trabalho e, não raro, torna-se uma presença ranzinza e negativista. Já a terceira refere-se mais à produtividade: a pessoa produz pouco e acha que isso não tem valor. As sensações físicas também acontecem de forma gradual: o sono passa a não ser mais reparador como antes, as emoções mudam o tempo todo, intercalando períodos de excitação e desânimo profundo. Na etapa seguinte, a queda do rendimento nas tarefas do trabalho levanta dúvidas sobre a própria capacidade profissional, seguida por um comportamento agressivo com os colegas de trabalho. Quando os ataques de ira se tornam constantes, hormônios como o cortisol passam a ser produzidos e ampliam o risco de diabetes, cardiopatias, doenças autoimunes, crises de pânico e depressão. Enfim, a coisa é complicada – e pode ser incapacitante.

Dicas para tentar fugir da crise de Burnout, segundo o Dr. Verea

  • Para quem tem o perfil workaholic, a sugestão é que encontre outras fontes que tragam prazer, como um curso fora da sua área de atuação no trabalho ou assistir a séries de TV, por exemplo;
  • Estar sempre atento aos sinais do saber dividir as horas do dia com trabalho, lazer e descanso é fundamental para a saúde mental e física;
  • Mudar o estilo de uma rotina diária de exercícios que trazem prazer, uma alimentação saudável e equilibrada, além de sono em dia, só vão trazer benefícios para a saúde;
  • Saber relaxar, buscar apoio na família e amigos, e encontrar alguém para conversar sobre amenidades

Como cessar o esgotamento

Segundo Virgilio Pereira Neto, psicólogo da Clínica Maia, o tratamento da síndrome é feito basicamente com psicoterapia. No entanto, em determinadas situações, pode envolver também medicamentos antidepressivos e/ou ansiolíticos, devidamente prescritos por um psiquiatra. “O terapeuta vai auxiliar o paciente a encontrar estratégias para combater o estresse constante, à medida em que promove, também, a troca de experiências e o autoconhecimento, visando a melhora da segurança emocional no trabalho”, destaca o psicólogo. Para ele, o exercício físico, como sempre, é fundamental: uma simples caminhada ou sessões regulares de ginástica ajudam a diminuir o super estresse e libera substâncias físicas que promovem o bem-estar.