fbpx
Conquista para a tecnologia em saúde: Congresso Nacional derruba veto presidencial que impediria o investimento em pesquisas e desenvolvimento
23 mar, 2021
União Química compra fábrica e marcas consagradas da Bayer no Brasil
29 mar, 2021

Rosuvastatina – Inimigo numero 1 do colesterol alto

 

Também conhecidas como inibidores da HMG-CoA redutase, as chamadas estatinas, hoje encontradas nas farmácias em diversas versões, foram a grande revolução terapêutica dos anos 70 e ainda são os medicamentos mais usados para tratar a dislipidemia – ou colesterol alto, um dos mais importantes fatores de risco das doenças cardiovasculares. Entre elas, há quase um consenso entre os cardiologistas: a recente rosuvastatina é uma das mais eficientes.

As estatinas – além da Rosuvastatina, há hoje no mercado a Sinvastatina, a Atorvastatina, a Pravastatina, a  Lovastatina, a Fluvastatina e a Pitavastatina – reduzem significativamente a mortalidade em pessoas com alto risco de doença cardiovascular. É bom saber que a taxa de colesterol no sangue tem duas origens: dieta rica em gordura e produção pelo fígado em quantidade maior que o necessário. As estatinas comprovadamente inibem o acúmulo de colesterol nas artérias, a chamada aterosclerose, que a longo prazo leva a doenças cardiovasculares graves, como infarto e AVC. Além das estatinas, há outras drogas anticolesterol disponíveis no mercado – e, mesmo entre as estatinas, os resultados variam, havendo algumas drogas claramente mais potentes que outras. Mas há hoje o consenso de que a Rosuvastatina está entre essas – com uma notável capacidade de redução dos níveis de colesterol LDL, o chamado colesterol “ruim”. Como efeito terapêutico adicional, a Rosuvastatina também apresenta os melhores resultados na redução de triglicerídeos – outro fator de risco cardiovascular – e no aumento das taxas do HDL, o “colesterol bom”. Isso sem contar que essa família de estatinas tem muito menos efeitos colaterais que as primeiras versões. 

Um detalhe que o farmacêutico pode transmitir a seus pacientes: como a produção de colesterol pelo fígado parece ser mais intensa durante a madrugada, há quem aconselhe a tomada das estatinas à noite. Mas a Rosuvastatina tem um tempo de ação mais prolongado que as demais estatinas – e portanto pode ser tomada a qualquer hora do dia.