fbpx
Governo de SP suspende mudanças no ICMS para alimentos e medicamentos genéricos
07 jan, 2021
Marjan Farma lança a primeira vitamina B12 sublingual do Brasil
08 jan, 2021

Probióticos: o bem que eles fazem

Pouca gente sabe, mas dentro da barriga humana moram pelo menos 10 trilhões de micro-organismos.

A esse universo de minúsculos organismos abrigados no aparelho digestivo deu-se inicialmente o nome de flora intestinal, mais recentemente rebatizada de microbiota. Esses “bichinhos”, constituídos em inúmeras “famílias” de bactérias, executam inúmeras funções dentro do organismo humano. Pesquisas realizadas em todo o mundo destacaram um sem-número de evidências sobre a influência da microbiota na saúde humana. E nem sempre positiva – pois o desbalanço nas populações bacterianas está associado a várias doenças. Aí entram os probióticos – micro-organismos vivos que agem no corpo facilitando a digestão e a absorção de nutrientes, podendo ajudar a fortalecer a imunidade e deixá-lo menos suscetível a doenças. A atuação dos probióticos – categoria de produtos desenvolvidos pela indústria farmacêutica e alimentar contendo bactérias “do bem” que impedem o crescimento das “do mal”. As descobertas sobre a importância da microbiota intestinal para a saúde dispararam o interesse pelos probióticos, produtos desenvolvidos pelos cientistas e farmacêuticos que contêm bactérias consideradas “boas” para o organismo.

A premissa desse grupo alimentar é equilibrar a população das bactérias que vivem em nosso intestino, para que elas trabalhem em prol do corpo humano. Os principais micro-organismos considerados benéficos são os lactobacilos e as bifidobactérias. Os probióticos são micro-organismos vivos que, ao serem ingeridos, beneficiam o organismo equilibrando a flora intestinal, o colesterol, a eventual diarreia (em frequência e duração), inibindo a ação das bactérias intestinais prejudiciais ao bom funcionamento do organismo, ativando a imunidade humoral e celular, aumentando a digestão da lactose, reduzindo a insônia e prevenindo a constipação e o estresse.

Para que micro-organismos sejam ingeridos como probióticos, eles devem ser habitantes normais do intestino e apresentar rápida reprodução e resistência para se manter até o prazo de validade. Os probióticos atuam no organismo na produção de compostos antimicrobianos e antibacterianos que auxiliam as bactérias benéficas a permanecerem no organismo e ainda reduzem a grande quantidade de micro-organismos maléficos. E o bem que os probióticos fazem ainda está sendo mais profundamente avaliado pelos cientistas – sobretudo em sua função de reforço da imunidade.