fbpx
Você sabe onde estão as oportunidades escondidas em sua farmácia?
06 nov, 2020
O bicho papão da Farmácia
09 nov, 2020

Ansiedade: muita calma nessa hora

Episódios – ou até crises – de ansiedade são sensações naturais e comuns até em animais. Em seres humanos, que “metabolizam” tudo o que pode ocorrer à sua volta, a ansiedade pode ser até útil – porque, segundo os antropólogos, garante até hoje a nossa sobrevivência.

E, nos dias de hoje, estimula nossa competitividade. Quando nos preocupamos com algo que pode (ou não) vir a acontecer, tomamos uma série de medidas para resolver previamente a situação que ainda não ocorreu. Resumindo: ao contrário do medo, que é uma reação a ameaças concretas, a ansiedade está mais para um mecanismo de antecipação dos aborrecimentos futuros. O problema é quando essa “emoção antecipada” passa do ponto – e se torna um transtorno que nos paralisa. O nervosismo exagerado deixa o indivíduo “travado”, impede que ele faça suas tarefas e atrapalha os seus compromissos. Para os ansiosos patológicos, sair de casa pode ser uma tortura – porque ele antecipa problemas que, geral. Sente-se até incapaz de permanecer sentado muito tempo numa sala de reuniões – e a carreira desce ladeira abaixo.

A Organização Mundial da Saúde, com dados de 2019, estimou que os transtornos de ansiedade atingem um total de 285 milhões de indivíduos – desses, quase 20 milhões são brasileiros. Nosso país, aliás, é campeão de ansiosos, com 9,3% da população afetada. Impossível resumir aqui as razões dessa liderança indesejável. Mas é possível resumir a solução.

A resposta verde

Embora existam tantos ansiosos, eles ainda sofrem com a demora no diagnóstico – e, por conseguinte, o início do tratamento. A farmacologia moderna dispõe de uma série de ansiolíticos sob estrito controle de prescrição médica. Mas os ansiosos contam com uma arma mais natural, comprovadamente muito eficiente em casos de ansiedade leve ou moderada – e que tem o beneplácito de muitos psiquiatras como arma coadjuvante do tratamento. É a Passiflora incarnata, o princípio ativo de uma das múltiplas espécies do gênero Passiflora. Maracujá – fruta popularmente associada à estabilização de nosso estado de nervos – é o nome de diversas dessas espécies. Atribui-se aos compostos presentes na Passiflora, como flavonoides e alcaloides, a promoção de ações “pacificadoras” no  sistema nervoso central.

Aos clientes da farmácia, vale o chavão: calma! Ansiedade tem controle.